Precifique Como Um Artista: 9 Regras de Ouro para Colocar Preço em Bolos e Doces

RECEBA NOVOS CONTEÚDOS DE MARKETING PARA CONFEITARIA
Entre para a lista VIP e receba lições e estratégias de Marketing e Vendas para crescer sua confeitaria direto no seu e-mail!

Eu realmente acredito que, assim como confeitar, colocar preço em bolos ou em qualquer outro produto de confeitaria é uma arte.

Quando vejo confeiteiras ignorarem isso, dedicando apenas uma parte minúscula do seu tempo para escolher os preços dos seus doces com carinho, de forma estratégica, com um objetivo em mente, eu fico muito triste.

Triste porque ignorar precificação só leva a um caminho possível: O fim do seu negócio.

De nada adianta você ser uma confeiteira incrível se não souber cobrar pela sua arte.

Descobrir o quanto cobrar pode parecer desafiador, mas depois que você entende algumas regras o jogo fica mais fácil.

Por isso, aqui estão nove Regras de Ouro para colocar preço em bolos e doces.

1. Localização conta muito ao colocar preço em bolos

localização ao colocar preço em bolos

Isso é bastante óbvio, principalmente se você tem uma pequena loja ou atua em vendas diretas.

Uma confeitaria em um bairro nobre pode cobrar bem mais do que alguém que vende em um bairro mais popular.

Isso é visível em qualquer produto, desde farmácias até preços de imóveis, e não é diferente com doces. 

Então, antes de sair divulgando seus produtos ou colocar um preço nos seus bolos, faça uma boa pesquisa de mercado.

Analise o ambiente que você está inserida ou quer estar inserida. Isso conta muito!  

Entenda seus concorrentes, ligue para outras padarias e confeiteiras da região e peça orçamentos, descubra quanto elas cobram por bolos personalizados ou por produtos similares aos que você vai oferecer.

Se os preços deles forem mais altos que que você pretende cobrar, mesmo já tendo feito o cálculo na planilha de precificação e descoberto seu preço mínimo, aumente seus números, pois significa que a região paga bem.

2. Nunca entre em guerra de preços

Geralmente quem é novo no ramo tenta atrair clientes com preços baixos e descontos porque acreditam que precisam aprender melhor uma técnica ou habilidade antes de cobrar o preço certo.

Ou até mesmo porque acredita que as pessoas não vão valorizar seu trabalho ser novata. 

Isso é um grande erro e é um dos mitos que temos em nossas cabeças que eu falo neste artigo! Então não faça isso!

Não é a sua experiência que te valoriza, mas sim como você se coloca no mercado. Se fosse assim empresas centenárias cobrariam muito mais caro pelos seus produtos, o que não acontece.

Aqui estão algumas consequências de disputar preços:

Você vai ficar ansiosa e vai se esgotar à toa

Você estará trabalhando feito louca pra chegar no final do mês e perceber que, mesmo assim, não tem dinheiro suficiente para pagar as contas (acredite, já aconteceu comigo e foi frustante).

Isso é extremamente estressante e aumenta as chances de você se desencantar com a confeitaria e até entrar em depressão.

Será que vale a pena?

Você vai ser reconhecida como “a confeiteira do precinho bom”

Vai ser difícil aumentar seus preços uma vez que você tenha clientes estáveis ​​e acostumados a comprar seus bolos com preços baixos. 

Por isso, desde o início, seu objetivo deve ser atrair uma clientela disposta a pagar pela qualidade. 

Afinal, é melhor ser conhecida como a confeiteira de alto valor com seus bolos incríveis que justificam o preço do que a confeiteira do bolo barato, que dá desconto sempre.

Você vai desvalorizar a indústria

Se você não dedicar um tempo para aprender a arte de precificar corretamente tem altas chances de entrar em guerra de preço para fechar uma venda a todo custo.

Isso prejudica imensamente o mercado da confeitaria na sua região.

Disputar com seus concorrentes em preço vai matando seus negócios porque reduz os preços em geral e a percepção de valor dos clientes passa a ser de que produtos de confeitaria tem que ser baratos.

Isso é ruim para todos.

3. Não compita com supermercados

não compita em preço com supermercados

Você também vai querer evitar a todo custo basear seus preços nos preços de supermercados locais. 

E é muito simples entender por quê:

  1. A maioria dos mercados fazem produção em escala, padronizado, deixam as partes congeladas e decoram com baldes de cobertura pré-prontas. Eles nunca serão tão bons quanto os seus. 
  2. Justamente por produzirem em escala, os custos gerais da produção e mão de obra nos mercados são mais baixos, então eles podem se dar ao luxo de praticar preços menores. Se você se comparar a eles as chances de você ter prejuízo são bem grandes!

Mas descobrir os preços dos supermercados é uma boa maneira de descobrir se seus preços estão muito baixos. 

Se seus preços estiverem na mesma faixa, pode aumentar! (A não ser que o mercado se posicione como diferenciado e ofereça produtos mais artesanais, aí o cenário muda um pouco, então analise antes!).

4. Conheça seus custos e metas de vendas

Eu sempre bato nesse tecla, e sempre vou bater, porque é básico e muita gente ainda não faz direito.

Se você não descobrir todas as suas despesas fixas, gastos com mão de obra, despesas variáveis e o índice de marcação, tem grandes chances de não cobrir seus custos e cobrará muito pouco, te garanto. 

Então, conheça os seus números, considerando o seguinte:

Custos Fixos

São todos aqueles que você paga, independente se você produziu algo ou não, ou seja, que não estão diretamente ligados à produção.

Aluguel, cartões de visita, anúncios no Facebook, luz, água, pró-labore, salário de ajudante, impostos do MEI, etc.

Equipamentos e suprimentos (Investimentos)

Misturador, forno industrial, racks de refrigeração, ferramentas de modelagem, formas… Tudo isso entra como um investimento e precisa ser recuperado com suas vendas, então você pode incluí-los como um custo de investimento e depois ter um percentual para pagar a depreciação dos mesmos.

Custos Variáveis (Ingredientes)

Tudo o que você usar na receita tem que estar anotado na sua ficha técnica, inclusive material descartável usado na produção, como saco de confeitar, papel manteiga, manteiga para untar a forma, caixas, suportes de bolo, corantes, etc.

Custos de venda

Comissões de vendas, impostos, taxas de cartão, gasolina, desgastes no carro, tempo de deslocamento, etc.

Lucro Pretendido

Além dos custos, ao colocar preço em bolos e doces, você precisa adicionar ao seu preço um pequeno percentual de lucro que você pretende ter na venda do produto (adicionamos isso ao Markup, ou taxa de marcação).

Seu tempo e mão de obra

Quando for colocar preço em bolos ou doces, mas principalmente bolos decorados que levam muito tempo, calcular uma taxa para sua hora é extremamente necessário.

Quando tive a minha micro empresa, me pediram uma encomenda de donuts para uma festa. Eram vários, e a cliente queria que fossem personalizados.

Eu havia cobrado o que eu pensei que era um bom o suficiente, mas um preço menor do que eu cobrava nas minhas vendas de rua (que não eram personalizados).

Achei que dar um desconto por ser várias unidades seria legal.

O problema é que eu não sabia quanto deveria custar minha mão de obra e por isso não sabia qual era o mínimo que eu tinha que cobrar em cada unidade.

Eu pensei em calcular isso depois que entreguei tudo. 

Para o meu espanto, percebi que teria apenas 10 reais de lucro naquela encomenda que me custou 12 horas de trabalho duro.

Cobrei pela minha hora artesanal apenas R$1,60. Muito pouco! Hoje sei que levando em conta todos os meus custos e um bom salário no final do mês, deveria ter colocado no preço final pelo menos R$11,00/hora de decoração.

Aprendi uma grande lição naquele dia: calcule seus custos antes mesmo de pensar em produzir qualquer docem tenha em mente quanto você quer ganhar e adicione isso ao preço.

5. Sua arte tem valor, lembre-se disso ao colocar preço em bolos e doces personalizados

sua arte tem valor, leve isso em conta ao colocar preço em bolos

Em casamentos, eventos ou aniversários, o bolo é o astro, o centro das atenções da uma festa. Vamos admitir, sem bolo, sem festa.

Eu pelo menos nunca vi uma festa sem bolo, e se visse iria achar extremamente deselegante.

Do que as pessoas comentam depois de um casamento? É isso mesmo: do vestido e do bolo.

E, embora muitas confeiteiras pensam em seus produtos como “apenas bolos”, eles são, na verdade, obras de arte únicas.

E é assim que você deve pensar: Suas produções são artesanais, portanto “arte”!

Se você leu o artigo dos gatilhos mentais, já sabe que “escassez” e “raridade” são gatilhos poderosos que aumentam a percepção de valor. As pessoas amam coisas únicas e raras.

Quanto mais único e raro, mais valor tem.

Um lindo bolo personalizado é o resultado do seu trabalho árduo, prática e várias horas dedicadas para criar uma memória especial e duradoura para seu cliente e seus convidados.

6. Estabeleça um preço mínimo

Deixe bem claro para seus clientes que seus bolos começam em um preço específico. Conforme o design e complexidade aumentam, o preço aumenta.

Por exemplo, bolos fondant começam em R$17 por porção ou bolos de casamento começam em R$200 (estou chutando números, ok? O preço depende exclusivamente de cada negócio).

Isso pode economizar tempo para você e seus clientes, além de “selecionar” bons clientes.

Você não quer passar horas discutindo desenhos para depois descobrir que um cliente estava esperando um bolo de casamento de três camadas por R$150. 

Se os clientes não gostarem do seu preço mínimo, eles irão embora. E está tudo bem!

Deixe-os ir. Lembre-se: Não se pode agradar a todos.

7. Defina um modelo de preço padrão (por porção e por quilo)

Se você vende bolos, vai perceber que existem dois cenários comuns.

O mais comum é um cliente chegar em você com o número de pessoas que precisam servir

Quando é assim, tudo o que esse cliente em potencial quer é um bolo que sirva o número de convidados que ela vai chamar.

Ele não está interessado no tamanho da forma nem em quantos quilos o bolo precisa ter. Isso são detalhes técnicos e não são tão importantes agora.

Agora, se o cliente chega pedindo o preço do quilo, provavelmente já fez alguma pesquisa e está estudando opções. Por isso você também vai precisar saber do seu preço por quilo dos seus sabores.

Por isso você precisa estar pronta para dar a eles um preço inicial baseado no tamanho do bolo, no número de camadas e também no peso final dele.

 Uma maneira de se fazer isso é usar um gráfico de corte de bolo. Existem vários pela internet. Aqui um exemplo de diagrama de fatias X diâmetro.

Depois, para saber quanto custa o quilo do seu bolo, você vai precisar de uma ficha técnica completa, além de seguir as outras regras de preço que eu disse aqui.

É muito importante que você memorize essa informação ou a tenha impressa em uma cartilha. Assim você consegue passar as porções e os preços para seu cliente mais facilmente.

8. Cobre mais por Design…

Produtos que tenham uma decoração personalizada, como cupcakes, bolos esculpidos ou bolos de personagens exigem muito mais tempo para projetar, estruturar e decorar. 

Então seja realista sobre as horas que você leva para fazer tudo isso (pesquisar, desenhar, comprar, produzir, decorar, etc).

Só porque um cliente quer servir um bolo elaborado, com quatro camadas para 10 pessoas, não significa que você irá gastar menos horas com ele do que um bolo que serve 30.

As vezes um bolo menor, mas personalizado, vai sair mais caro do que um bolo maior e menos customizado.

Apenas seja franco sobre o trabalho envolvido.

9. … Mas menos para bolos falsos

Os bolos falsos adicionam altura a bolos menores, mas definir um preço para eles pode ser complicado, já que ele é pura “decoração”.

Sim, eles são mais fáceis de decorar e ocupam menos tempo, mas você ainda tem custos de ingredientes, como o fondant e outras decorações. 

O que muitas confeiteiras experientes fazem é oferecer os bolos falsos por metade do preço dos reais, sempre tendo como base as regras de ouro que mostrei nesse artigo.

Ah, muito importante: para tentar economizar dinheiro no bolo, algumas pessoas vão pedir um bolo falso e fazer “side cakes“, ou seja, aquele bolo que é feito apenas para servir e não tem valor decorativo.

Uma boa solução é oferecer os dois bolos no pacote, cada um pela metade do preço de um bolo decorado normal. 

Essas foram as 9 Regras para colocar preço em bolos

Colocar todos esses números no papel, separar os tipos de custo, adicionar mão de obra e outros valores pode parecer muito trabalhoso. 

Mas vale muito a pena separar um tempo para criar uma política de preços e colocar os preços certos nos seus produtos.

Você vai agradecer muito por ter feito isso logo no início!

Vai te poupar muita dor de cabeça e com certeza vai te dar mais segurança na hora de passar seus valores.  

Siga estas Regras de Ouro e você estará na frente de muitos confeiteiros logo nos primeiros dias de negócios.

Se tiver interesse em uma maneira de precificar seus produtos instantaneamente, dá uma olhada nessa página onde eu explico melhor esse conceito e que tem facilitado a vida de milhares de confeiteiras pelo Brasil (e algumas fora do Brasil também!)

Este artigo foi adaptado do original de Wendy McGowan

Share on facebook
Compartilhe
Share on pinterest
Pinterest
Share on twitter
Twitter
Share on email
Envie por E-mail
Share on facebook
Compartilhe
Share on pinterest
Pinterest
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
Envie no WhatsApp

O que achou do artigo? Comente! :)

1 comentário em “Precifique Como Um Artista: 9 Regras de Ouro para Colocar Preço em Bolos e Doces”

  1. Achei ótimo .A confeitaria ainda é desvalorizada.Pensam que o bolo é feito de trigo,açúcar,ovos ,pó Royal e leite .Mas vocês grandes chefis estão mudando este mito . Parabéns

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça como mais de 4.860 confeiteiras

Entre para a lista e receba gratuitamente lições de Marketing e Vendas direto no seu e-mail!